sexta-feira, 13 de junho de 2014

Apenas Um Menino



Um menino estava de pé descalço na frente de uma loja de sapatos tremendo de frio . Uma senhora se aproximou e disse:
 

"Meu pequeno amigo, o que você está olhando tão intensamente nessa janela ?"
 

. Ele respondeu:
 

"Eu estou pedindo a Deus para me dar um par de sapatos"
A senhora tomou-o pela mão e levou -o para dentro da loja e pediu a um funcionário meia dúzia de pares de meias para o menino e
um par de sapatos.
 

Perguntou se podia dar uma bacia de água e uma toalha e levou a criança para os fundos da loja . Com amor começou a lavar os pés da criança e secar , em seguida, colocou os sapatos e as meias .
Ela fez um carinho na cabeça dele e disse: " Sem dúvida, pequeno amigo que você deve sentir mais confortável agora"
 

Quando ela se virou para sair, a criança muito feliz, estendeu a mão e pegou a mão dela , olhando para ela com lágrimas nos olhos, perguntou:" .
 

Você é a esposa de Deus Senhora?
 

E ela respondeu:
 

"Não , só sou uma pessoa grata com o que ele me deu."

Queridos amigos, imagine como o mundo seria diferente se isso fosse mais comum??

Tallvez você não seja capaz de compartilhar esta mensagem ! Mas eu faço e eu também sou infinitamente grato a Deus !

domingo, 10 de novembro de 2013

Dois meses antes



Grande confeitaria paulista, ao anoitecer. Clientela numerosa.
 
Quando Olavo Dias, denodado trabalhador da seara espírita, se aproxima do caixa para efetuar o pagamento de certa compra, surge a atordoada:
 
– Ladrão! Ladrão! Pega o ladrão! Pega! Pega!
 
Alia-se um guarda a robusto balconista e agarra pobre homem, extremamente mal vestido, que treme ao apresentar grande pacote nas mãos.
 
– Ele roubou de um freguês – grita o caixeiro, como que triunfante ao guardar a presa.
 
Quase todos os rostos se voltam para o infeliz.
 
O policial apresta-se para as providências que o caso lhe sugere, mas Olavo Dias avança e toma a defesa.
 
– Não é um ladrão – explica – e não admito qualquer violência.
 
E no propósito de ajudá-lo, Olavo mente, afirmando:
 
– É meu empregado e, decerto, retirou o pacote julgando que me pertencesse.
 
Enérgico, toma o embrulho, devolve-o ao gerente, pede desculpas pelo engano e afasta-se com o desconhecido, dando-lhe o braço, como se o fizesse a um parente, diante dos circunstantes perplexos.
 
Dobrando, porém, a primeira esquina, dirige-lhe a palavra, admoestando:
 
– Ora essa, meu caro! Sou espírita e um espírita não deve mentir. Entretanto, fui obrigado a isso para defendê-lo.
 
O interpelado mergulha a fronte nas mãos ossudas e explica em lágrimas:
 
– Doutor, roubei porque tenho seis filhos com fome... Sou doente do peito... Não acho serviço...
 
– Bem, bem – falou Olavo, comovido –, não estou aqui para fazê-lo chorar.
 
Condoído, abriu a bolsa, deu-lhe o concurso possível e perguntou-lhe pelo endereço.
 
O infeliz declarou chamar-se Noel de Souza, deu os nomes da esposa e dos filhos e informou residir nas proximidades da Vila Maria, em modesto barracão.
 
O benfeitor, realmente sensibilizado, prometeu visitá-lo na primeira oportunidade, e, finda uma semana, ei-lo de automóvel a procurar pela casinha distante.
 
Depois de algum esforço, localizou-a.
 
Encontrou a senhora Souza e os seis filhinhos esquálidos, mas o dono da casa não estava.
 
Saíra para angariar socorro médico.
 
Olavo, tocado de compaixão, fez quanto pôde pela família sofredora e, ao despedir-se, ouviu a dona da casa dizer-lhe sob forte emoção:
 
– Um dia, se Deus quiser, Noel há de retribuir o senhor por tudo o que está fazendo...
Precisando deixar S. Paulo, em função da vida comercial, Olavo recomendou os novos protegidos a diversos companheiros, e esqueceu a ocorrência. 
II 
Decorridos seis meses, Olavo, certo dia, chega apressado ao aeroporto de grande cidade brasileira.
Precisava viajar urgentemente, mas não tem passagem. Arriscar-se-á, no entanto, à aquisição de última hora.
 
Retendo pequena pasta, procura na multidão um amigo que o precedera, minutos antes, com o fim de ajudá-lo, até que o vê a pequena distância, acenando-lhe a que se apresse.
O problema está resolvido. Basta que apresente a documentação necessária.
 
Avança, presto, mas alguém cruza o caminho. Sente-se abraçado numa explosão de ternura.
 
Olavo tenta quebrar o impedimento afetivo, mas reconhece Noel de Souza e estaca, surpreendido.
 
– Você... aqui?
 
O amigo está humildemente trajado, mas limpo e alegre.
 
– Sim, doutor, preciso vê-lo – confirma o interlocutor.
 
– Agora, não – falou Olavo, contrafeito.
 
Como se não lhe anotasse o azedume, o outro tomou-lhe o braço e arrasta-o docemente para fora do raio de visão do companheiro que o espera.
 
– Souza, não me detenha, não me detenha... – roga Olavo, inquieto.
 
– Escute, doutor, preciso agradecer-lhe...
 
E como se não lhe pudesse escapar da mão, Olavo escuta-lhe a fala entediado e impaciente. Noel refere-se à esposa e aos filhos e repete frases de gratidão e carinho.
 
Depois de alguns instantes, Dias, revoltado, desvencilha-se e abandona-o sem dizer palavra. Alcança o amigo, mas é tarde.
 
O avião não pudera esperar.
 
Acabrunhado, vê, de longe, o aparelho de portas cerradas, na decolagem.
 
Bastante desapontado, busca Noel de Souza para ouvi-lo com mais atenção, já que perdera a viagem. 

Entretanto, por mais minuciosa a procura, não mais o encontra.
 
Daí a quatro horas, recebe trágica notícia.
 
O aparelho em que disputara lugar caíra de grande altura, sem deixar sobreviventes.
 
Intrigado, regressa a S. Paulo e corre a visitar a choupana de Noel. Quer vê-lo, abraçá-lo, comentar o acontecimento. Mas, no lar modesto de Vila Maria, veio a saber que Souza desencarnara dois meses antes.
 
Do cap. 21 do livro Almas em Desfile, de Hilário Silva, psicografado pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.